domingo, 28 de maio de 2017

Acúmulos Materiais x Acúmulos Emocionais


Em muitos momentos da vida desenvolvemos hábitos. Alguns bons, outros nem tanto. Muitos péssimos, infelizmente.


Somos apenas crianças crescidas.


Nossos medos e angústias, a tal síndrome do abandono – para alguns adultos – pode se prolongar, muitas vezes, por toda a vida.


Muitas pessoas perpetuam isso sem se dar conta, obviamente. Outras, mesmo se dando, não conseguem emudecer seus anseios e como que, por compulsão ou impulsividade, apenas trocam de angústia.


Tentam suprir materialmente uma carência emocional de algo deficiente que não se pode ou se sabe resolver de modo prático porque a resolução nem sempre está ao alcance das mãos. Seja por que requer ajuda profissional especialializada ou por que de quem poderia partir a ajuda, nem sempre está disponível ou à disposição para tal.


O fato é que essas pessoas passam a ser compradoras(es) ou acumuladoras(es) compulsivos.
Quem de nós nunca foi ao shopping derrotar uma tristeza e saiu de mãos cheias?


Quem de nós nunca trocou um choro contido por um lindo par de sapatos?


Se não aconteceu com você diretamente, é bem provável ou certo que com alguém bem perto, que se encaixa nessa fala.


Tem gente que não se contenta em ter o presente, precisa preservar todo o ritual que o acompanhou, como se quisesse eternizar o momento. Com isso, guarda desde o selo da florzinha que fechou o pacote até a sacola da loja. 


Fica tudo ali entulhando a vida e dando uma certa sensação de conforto, de história, de enredo emocional. Tudo ali compondo os silêncios e causando sofrimento, pois, quer queira, quer não, a pessoa sabe que há algo de errado nesse hábito.


Em alguns casos, a casa fica toda tomada de intermináveis "lembranças", decantando uma angústia pela ausência de ordem, de casa regada a progresso e progredir requer abandonar o velho e se despir para se vestir do novo.


Por uma questão de preferência e competência, estou me estreitando apenas nas questões de ordem doméstica, haja vista que, como todos sabem, há outras compulsões, como álcool, jogo, drogas e afins, que servem para compor conflitos e silêncios internos, mas sobre as quais não estou habilitada a falar, pois, na minha ótica, requerem informações psicanalíticas que não possuo, a não ser quando me coloco na posição de analisada; mesmo assim, com a parcimônia que devo a quem me lê e pelo respeito que merece, pois não posso abordar um tema sério como esse sem a devida profundidade.
A vida merece amor correspondido, casa cheirosa, cama acolhedora, armários cheirando a novas possibilidades, sem mofo por dentro e por fora.


A comida abençoada merece o prato sem lasca, o talher não torto, a toalha renovada.


Eu não estou propondo uma vida sem lembranças. 


Proponho lembranças internas, bem conduzidas. Gosta daquela roupinha com a qual o bebê saiu da maternidade? Emoldure. Mande para uma lavanderia e, após, para uma vidraçaria. Fica lindo e faz sentido.


Está apegada àquelas fotos centenárias? Separe tudo e peça a alguém que as organize num álbum, recheadas de organização e afeto.


E aquela roupa do enxoval de quando você tinha 20 anos?


Ficou com um relacionamento mal resolvido? Marque um encontro. Chame a pessoa às falas. 


Derrame-se. Esbraveje. Desafogue-se. Desengasgue-se. Nem sempre é fácil. Mas tente!

Olho no olho ainda é uma excelente terapia.


Bem, acho que, se sua relação afetiva merecer, você pode trocá-la por outras novas com cheiro de amor reflorestado.


Veja: não é guardando, comprando, entulhando a casa, que sua afetividade estará preservada.


É se autopreservando de não ser refém de antiguidades que lhe fazem bem e mal, num dilema que ocupa a sua casa, a sua vida e a sua alma.

Excesso só de AFETOS.
(e, mesmo assim, saudáveis!)

| Cláudia Dornelles |

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...