segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Quando a gente conversa


Eu já acordo com uma mensagem sua.

E quando não, é você quem acorda com uma mensagem minha.

E assim a gente vivendo todos os dias devagarzinho.

Passo as primeiras horas do dia já dividindo minha vida com a sua.

Te conto do que assisto na TV, te conto do transporte público lotado, te conto das primeiras horas do trabalho.

E tudo isso ouço de você também. É bom saber mais de você.

É bom saber se você vê a rotina do mesmo jeito que eu.

E nem é sobre o jeito mais legal de ver, é sobre, sei lá, o nosso jeito de ver separados.

Eu gosto de aprender com as pessoas e, por isso, confesso que passei a ouvir mais aquela banda que você gosta só para eu entender porque você gosta tanto.

Acho que isso é bom, Eu acho que estamos tendo uma conversa infinita.

Não se trata de novas, se trata da mesma interrompida e continuada, sabe?

Depois do trabalho a gente comenta um pouco um do dia do outro e a madrugada entra sem a gente perceber.

Algumas reclamações iguais, alguns almoços em serlf-service de todo dia, nada muito diferente, mas tudo diferente depois que alguém passa a fazer parte da nossa vida.

É por isso que estou gostando da gente.

Minha vida virou um filme depois que você apareceu.

É engraçado como tudo virou cena de seriado ao te contar, de uma pessoa escorregando no metrô a uma palavra engraçada que ouvi no dia, qualquer coisa que meus olhos veem vão direto para o seu coração e vice-versa. E isso tem me feito bem.

Eu não quero parar de falar com você. Não quero te ver indo embora mal tendo chegado.

É cedo demais para eu dizer que isso tudo vai dar em algo, mas já tem sido bom demais ter um brilho a mais na minha rotina. Sei que ultimamente tenho lido menos livros do que eu lia nos trajetos e horas livres, mas tem sido tão bom te ler um pouco mais também.

Já decorei os emojis que usa, o jeito que ri e a hora que dorme me deixando falando sozinho. Acho que já te conheço um pouco.

Quando a gente conversa eu fico bem. Me sinto a vontade para falar de tudo sobre mim.

E me sinto ainda mais a vontade para responder suas perguntas.

É tão bom ter alguém perguntando coisas sobre a gente.

A vida não é interessante, somos nós que criamos interesse em viver.

Você tem transformado meu dia a dia.

Rio sozinho no metrô e as pessoas percebem.

Ouço seus áudios no whatsapp sem abaixar o volume e sua voz sai alta hahaha.

Não te respondo também em áudios porque tenho vergonha em meio a tanta gente.

Mas eu gosto de ouvir os seus, gosto de ouvir o jeito que você fala. Você fala bonitinho.

Quando a gente conversa é quando a gente conhece alguém.

Não tem a ver com ser bom de lábia – o que é isso? -, tem a ver com ser bom de fazer bem a alguém, isto é, aquilo tudo o que somos, que nascemos aprendendo, mas que esquecemos de praticar.

E fazer bem pode ser perguntar para a pessoa o que ela pensa sobre o brócolis e uva-passa no arroz.

Fazer bem é tentar fazer o que nunca fizeram.

Escrever capítulos inéditos da vida da pessoa.

É muito fácil fazer bem a alguém, a gente só precisa querer mais, nos interessar mais, ser mais quem gostamos de ser e quem gostaríamos de ter.

Quando a gente conversa eu tento te fazer bem do mesmo jeito que você me faz.

Márcio Rodrigues

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...