terça-feira, 25 de outubro de 2016

A primeira ferida nos deixa impressionados, mas depois a gente aprende a fazer curativo.


É bem verdade.

Tive que aprender a viver.

Um monte de coisa boa, aprendi observando a vida alheia.

Mas, nem tudo internalizei observando.

Tem horas que é preciso colocar o dedo no buraco da tomada e ousar abrir caminho aonde não tem, pois, nem todas as possibilidades foram trilhadas.

Então, nossos erros, nossas dores e dissabores, passam a ministrar à nossa alma.

A primeira ferida nos deixa impressionados, mas depois a gente aprende a fazer curativo.

Já senti falta de alguém para me indicar o caminho, me dizer o que fazer.

Já me arrependi amargamente por ouvir conselhos.

Já me lasquei por ousar, e também por ter paciência.

Parece que o certo não tem dose, nem segue regularidades.

Sei que já estraguei muita coisa bonita.

Sabe quando você, inocentemente machuca.

Como num esbarrão.

Desastrado, espantei passarinhos assustados que estavam se achegando.

Já quis colar muita coisa que quebrei.

E também, já tentei descolar o que colei errado.

Sinto ter investido em coisas sem sentido.

Dói-me não ter doído.

E , no fim, a única coisa que eu desejo é correr como correnteza mansa e desaguar em paz.

Tá certo, outrora fui tempestade.

É que não nasci sabendo... e receio ainda não saber... ... ...

Andrade Moraes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...