segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Cedo demais...


Talvez o nosso amor tenha acontecido cedo demais.

Prefiro pensar assim.

É claro que eu acreditei que fosse ser para sempre.

Eu me esforcei para isso. E acredito que você também.

Por muito tempo eu tive a certeza de que não precisaria mais procurar.

E, então, imaginava os nossos filhos com os seus olhos.

Eu já me enxergava acordando toda manhã com você ali, deitada ao meu lado.

Era mágico sentir que você era minha.

Eu gostava de despertar em silêncio e ficar te admirando enquanto você dormia.

Eu não sei bem como foi que aconteceu.

O que eu sei é que tudo mudou.

Deixamos de nos entender.

Deixamos de cuidar do nosso amor, apesar de nunca termos deixado de amar.

Quando terminamos pela última vez, ninguém levou a sério.

Acharam que seria como tinham sido todas as outras.

Erraram. Foi diferente. Foi definitivo.

É que, daquela vez, ficamos longe o suficiente para percebermos que não precisávamos um do outro para viver.

E, então, vivemos.

Sabe, perder um amor nunca é fácil, mas descobrir o mundo logo em seguida pode ajudar a superar.

E eu descobri tanta coisa.

Apesar de ter a total consciência do quanto o nosso relacionamento foi especial, se tivesse a chance de voltar no tempo e escolher, faria tudo exatamente igual.

Hoje eu sei que precisava viver tudo o que vivi.

Te perder foi um preço alto a se pagar.

Ainda dói o fato de não ter você aqui.

Ainda existe aquela ferida aberta no meu peito por não termos conseguido cumprir o que prometemos.

Te ver com outra pessoa foi quase insuportável.

Mas a verdade é que foi melhor assim. A vida real é desse jeito.

Corações que se amam batendo distantes.

Que sirva de lição para você aí, lendo este lamento.

Existe uma grande chance de você não se casar com o amor da sua vida.

De você ter que escolher entre ele e o mundo.

De vocês terem nascido em cidades diferentes.

De vocês terem se conhecido cedo demais.

A minha história foi assim.

Certo dia, sem avisar, o amor bateu em minha porta.

Acontece que veio cedo demais e, então, não pode ficar.

Ele veio, me fez sorrir, me fez sonhar, me fez acreditar, deixou a sua marca, me deu um duro golpe e, depois, partiu.

Quem sabe já esteja na hora de voltar a me visitar.

Rafael Magalhães

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...